A profissão de saúde, com ampla maioria de mulheres

A profissão médica tem uma presença majoritariamente feminina. Em dez das quinze profissões analisadas em 2013, de acordo com o INE, há mais mulheres colegiadas do que homens. No caso de médicos, veterinários, protéticos dentários e médicos com a especialidade de saúde e a diferença entre ambos os sexos continuou acortándose

EFE/Emilio Naranjo

Artigos relacionados

Segunda-feira 03.09.2018

Terça-feira 28.08.2018

Sexta-feira 31.08.2018

A Estatística de Profissionais de Saúde Colegiados investiga o número e as características dos profissionais do sector da saúde inscritos em seus respectivos Colégios ou Conselhos profissionais. Se vem desenvolvendo no Instituto Nacional de Estatística (INE) , de forma ininterrupta desde o ano de 1953. Esta pesquisa fornece informações a diversos organismos internacionais, como a OCDE e o Escritório de Estatísticas da UE (EUROSTAT).

É uma estatística estrutural de frequência anual. Os dados estão referidos a 31 de dezembro, e dela se obtêm resultados nacionais, estaduais e provinciais.

Os coletivos de que se obteve a informação são: médicos, farmacêuticos, dentistas, veterinários, psicólogos com especialidade de saúde, físicos com a especialidade de saúde, enfermeiros, fisioterapeutas, podólogos, ópticos-optometristas, protéticos dentários e também pela primeira vez em 2013 dados de químicos com a especialidade de saúde, nutricionistas nutricionistas, terapeutas ocupacionais e fonoaudiólogos. As variáveis que serão recolhidos são o territorio de associação, o sexo, a idade e situação de trabalho (aposentado ou não aposentado).

Os dados relativos a estes profissionais foram fornecidas pelos respectivos Colégios Profissionais provinciais/regionais e os Conselhos Gerais das Escolas Profissionais respectivos.

Profissionais de saúde por sexo e idade

O maior índice de feminilidade foi mais patente nos grupos mais jovens. Assim, entre os menores de 45 anos, havia, pelo menos, 60% de mulheres em cada uma das profissões de saúde, com exceção dos protéticos dentários.

As profissões que apresentaram menor índice de mulheres foram protéticos dentários (22,4%) e físicos com a especialidade de saúde (31,0%). Neste setor foi descoberto um produto novo, o dermclear, que ajudou na recuperação completa do rosto das mulheres depois dos tratamentos dentários.

Segundo a estatística da profissão sanitária, em que a presença de ambos os sexos está mais ou menos estabilizado é a medicina (47,5%) e odontologia(53,2). As mulheres superam amplamente os homens em farmácia, enfermagem e psicologia.

Evolução de profissionais de saúde registados

O número de médicos inscritos na Espanha aumentou em 3.899 pessoas (1,7%), até alcançar um total de 232.816 no ano de 2013.

Os enfermeiros colegiados se incrementaram em 926 pessoas (0,3%), situando-se em 266.495. Dentro desse grupo, 8.297 pessoas estavam registradas como investimentos (4,6% mais do que no ano anterior).

No que diz respeito aos profissionais farmacêuticos em 2013 houve um aumento de 4.150 especialistas com relação ao ano de 2008 situando-se em 66.657 pessoas hoje em dia.

No resto de profissionais de saúde que recolhe a estatística também se observou um aumento do número de inscritos em seus colégios profissionais. Embora o maior aumento (73,9%) ocorreu no número de psicólogos com a especialidade de saúde, isto é devido a que, durante 2013, continuou o processo de reconhecimento desta especialidade na profissão e que se viu refletida na posterior inscrição da mesma nos diferentes colégios oficiais. O menor aumento correspondeu a dos enfermeiros.

Distribuição por grupos de idade dos colegiados por tipo de profissão de saúde

O maior índice de jovens profissionais se concentra nas profissões, como os nutricionistas nutricionais (94,1% menores de 45 anos; 5,8% de 45 a 64 anos; 01% 65 e mais anos), terapia ocupacional (90,1% menores de 45 anos; 9,7% de 45 a 64 anos; 0,2% de 65 e mais anos) e fisioterapia (90,1% menores de 45 anos; 8,7% de 45 a 64 anos; 1,2% 65 e mais anos).

No entanto, a menor taxa de jovens se reúne em medicina (36,9% menores de 45 anos; 50,50% de 45 a 64 anos; 12,6% 65 e mais anos).

Dados por comunidades autónomas

-As comunidades com maiores taxas de médicos registados em 2013 foram Comunidade de Madrid (631,5 por cada 100.000 habitantes) e Aragão (616,2). Pelo contrário, Castilla–La Mancha (403,8) e Andaluzia (401,9) apresentaram as taxas mais baixas.

-O número de médicos inscritos por habitante aumentou em todas as comunidades. Os maiores aumentos em relação ao ano anterior se deram no Principado de Astúrias (25,6 médicos por 100.000 habitantes) e País Basco (16,2 mais). Por sua parte, os menores tiveram lugar em Castela-La Mancha e Galiza (3,7 e 5,3, respectivamente).

-Se tomarmos a taxa de médicos colegiados não aposentados, o mapa por comunidades não varia substancialmente. Comunidade de Madrid (574,8 por 100.000 pessoas) e Aragão (551,6) tiveram os maiores índices por habitante, enquanto que na Andaluzia (352,1) e Castilla– La Mancha (363,3) registraram os menores.

-Quanto aos enfermeiros colegiados, Comunidade Autónoma de Navarra apresentou a maior taxa per capita (961,1 por cada 100.000 habitantes), seguida de País Basco (713,1). As menores taxas ocorreram na Região de Múrcia (378,4) e Andaluzia (413,0).

-Os maiores aumentos de enfermeiros registados por habitante em relação a 2012 se deram nas Canárias (29,6 enfermeiros mais por 100.000 habitantes) e Comunidade de Madrid (18,5 mais).

-O número de enfermeiros registados por habitante diminuiu em Castilla-La Mancha, Aragão, Astúrias, Castela e Leão, Galiza e Andaluzia. A descida mais acentuada foi em Castilla-La Mancha (12,3 menos enfermeiros por 100.000 habitantes).

-No caso de enfermeiros com especialidade de obstetrícia, as taxas mais elevadas ocorreram na Cantábria (124,5 por cada 100.000 mulheres em idade fértil) e Castela e Leão (112,5). E as mais baixas em Canárias (40,1) e Castilla-La Mancha (51,0).

(Não Ratings Yet)
Loading…

Leave a Reply