A primeira menina provetes de Espanha, Ana Vitória, cumpre 29 anos

Vitória Anna, a primeira menina provetes de Portugal, cumpre hoje 29 anos, um parto que se adiantou uma semana, as previsões dos médicos e que constituiu um marco histórico o que têm acompanhado mais de 8.000 nascimentos de espanhóis fruto de fecundaciones in vitro

EFE

Artigos relacionados

Segunda-feira 10.09.2018

Segunda-feira 10.09.2018

Sexta-feira 07.09.2018

Anna Victoria nasceu em 12 de julho de 1984, e veio ao mundo com 2,470 quilos, superando o problema de esterilidade, que tinha sua mãe.

Os pais cientistas da menina, o atual diretor do Departamento de Obstetrícia, Ginecologia e Medicina da Reprodução do Hospital Quirón Dexeus, Pedro N. Bairro, e a diretora da Área de Biologia de Saúde da Mulher Dexeus, Anna Veiga, coincidem em assinalar que “nos últimos 29 anos se têm dado passos de gigante em relação à reprodução assistida”.

8.000 crianças proveta

Desde o nascimento de Vitória, Ana nasceram em Portugal mais de 8.000 criança proveta e apenas o departamento de Saúde da Mulher do Instituto Dexeus foi realizado também, desde então, mais de 80.000 ciclos de tratamentos de reprodução assistida.

Ao longo destes 29 anos, as técnicas de reprodução assistida têm vindo a melhorar progressivamente e, na atualidade, dependendo sempre da técnica aplicada e do perfil do paciente, conseguem-se taxas de gravidez de até 60 por cento.

Veiga afirma que “do ponto de vista clínico, conseguimos tratamentos de estimulação muito mais adaptados às necessidades dos pacientes, sendo mais simples e menos agressivos, e otimizamos os sistemas de seleção e caracterização do embrião, bem como o procedimento de preservação desses embriões”.

A bióloga refere-se assim ao estudo apresentado esta semana por especialistas de Saúde da Mulher Dexeus no encontro anual da Sociedade Europeia de Reprodução Humana e Embriologia (ESHRE), mediante o que foi comprovado que a acumulação de oócitos prévia para a realização de um ciclo de diagnóstico ou ‘screening genético pré-implantação’ (PDG/PGS) atingir uma taxa de gestação clínica do 61,5 % em pacientes com mau prognóstico reprodutivo.

O diagnóstico ou ‘screening’ genético pré-implantação é uma técnica de cribaje genético que permite selecionar embriões sem anomalias de genes/cromossômicas, o que aumenta as chances de gestação e diminui o risco de abortos, melhorando assim a eficácia da fertilização in vitro.

O principal desafio que enfrentam agora os médicos é conseguir reduzir as complicações associadas a estas técnicas, ou seja, as gravidezes múltiplas e a hiperestimulación ovariana.

(Não Ratings Yet)
Loading…

Leave a Reply